Licenciatura de acupuntura que considero melhor

Nuno Lemos CURSOS DE ACUPUNTURA 30 Comments

Licenciatura de acupuntura que considero melhor

Uma vez que nesta altura do ano os meus artigos sobre cursos/licenciatura de acupuntura/medicina chinesa geram sempre algum mal estar decidi publicar este artigo de forma a esclarecer alguns pontos relativamente àquela que considero a melhor licenciatura de acupuntura a tirar.

Numa situação em que a acupuntura não está regulamentada, não existem licenciaturas homologadas e nos encontramos na presença de uma série de licenciaturas (uns com mais qualidade que outros), eu uso 3 parâmetros de avaliação:

1 – conteúdo programático e número de horas teóricas

2 – conteúdo programático e número de horas práticas

3 – número de horas em estágio clinico.

licenciaturas que são pobres, especialmente nos dois últimos pontos, devem, na minha opinião ser evitadas. Qualquer licenciatura de fim-de-semana ou as atuais licenciaturas online não são licenciaturas que se aconselhem pois não vão dar a bagagem prática necessária.

No entanto existem algumas escolas que oferecem licenciaturas a tempo inteiro. E por muitas deficiências que tenham são preferíveis às licenciaturas de fins-de-semana ou licenciaturas on line. Desses cursos destaco 3 por se ouvir falar mais ou por conhecer melhor.

Licenciatura de acupuntura a considerar

ESMTC (Escola Medicina Tradicional Chinesa)

– licenciatura de acupuntura a tempo inteiro. É a escola onde dou aulas pelo que a minha opinião sobre a mesma é sempre condicionada. Acho que nesta fase está a sofrer de um excesso de influência new age com conceitos esotéricos sendo que acaba por existir um choque entre perspetivas científicas e esotéricas (quando digo choque refiro-me ao impacto que isso possa ter no aluno).

APAE (Associação Portuguesa de Acupuntura Elétrica)

– é uma escola de acupuntura japonesa. Não ensina medicina chinesa e como tal a fitoterapia passa completamente ao lado. Mas ensina massagem japonesa. Em termos de ensino de eletropuntura e conhecimento científico é, na minha opinião, a melhor escola em Portugal.

UMC (Universidade de Medicina Chinesa)

– falo da licenciatura de acupuntura a tempo inteiro e não o curso de fim-de-semana (devem tomar atenção à publicidade que se faz pois muita dela é enganosa. Por exemplo: a licenciatura pós-laboral não dá o reconhecimento pela universidade chinesa que dá a licenciatura a tempo inteiro). Como afirmei noutro artigo teoricamente oferece um bom conteúdo programático e bons períodos de aprendizagem prática com estágio clinico.

 

Comments 30

  1. Pois é…
    No Brasil estamos passando por um momento de definição e a procura por um bom curso deve ser criteriosa, ha muitas escolas mas o cuidado com horas praticas, estagios e conteúdo deve ser um grande preocupação por parte de quem opta por esta área, há uma enorme necessidade de que se preze pela qualidade da formaçao destes proficionais…
    Abraço!
    Otimo artigo

  2. porque é que dizes que a ESMTC «está a sofrer de um excesso de influência new age com conceitos esotéricos»? até tem um curso muito centrado na MTC ( mesmo o qi gong faz parte da MTC apesar de ser «energético» ). quase todos os professores da escola, pelo que sei, tiveram formação nessa instituição.

    1. Post
      Author

      digo isto porque atualmente existe uma corrente de pensamento em alguns professores que tem conteúdos demasiadamente esotéricos. Mas o curso, especialmente as disciplinas base como diagnóstico, matéria médica, acupuntura são muito centradas na MTC, sem dúvida.

  3. “No entanto existem algumas escolas que oferecem cursos a tempo inteiro. E por muitas deficiências que tenham são preferíveis aos cursos de fins-de-semana ou licenciaturas on line.”

    Engraçado, como é que se justifica o comentário acima? Então é preferível a má qualidade do que se ensina, desde que tenha uma quantidade avantajada de carga horária, do que a excelente qualidade que ousa formatos “não convencionais”, é isso? O problema então está na forma e não no conteúdo?
    Sem dúvida, faz falta a regulamentação e urgente, especialmente para comprovar a qualidade formativa de cada oferta do mercado actual. Isso só será uma realidade no dia em que as provas inquestionáveis da qualidade não se prendam com preconceitos de formato, os quais são sustentados, na maioria das vezes, no desconhecimento completo.

    Cumprimentos!

    1. Post
      Author

      Boa tarde Maria
      Infelizmente parece ter deturpado o que escrevi. Ou então não me expliquei bem.
      Nunca referi que os cursos a tempo inteiro tinham qualidade inferior aos cursos de fds pelo que o seu comentário sobre carga horária e qualidade é totalmente descabido. Tal como indicar que o artigo é baseado no desconhecimento compelto dos cursos e em preconceitos é um dos argumentos muito usado e que comentarei em artigos próprios (a ser publicado nos próximos dias).
      Relativamente aos artigo e afirmação em causa o que está bem patente é isto:
      1 – os cursos a tempo inteiro sofrem de falhas: muitas destas falhas poderiam ser resolvidas com regulamentação.
      2 – apesar das falhas os cursos a tempo inteiro tem uma QUALIDADE MUITO SUPERIOR AOS CURSOS DE 1 FDS POR MÊS.
      3 – o maior número de horas de aulas e particularmente de aulas práticas e estágios clinicos ajudam E MUITO A DAR MAIS QUALIDADE AO CURSO.
      Espero que agora tenha deixado bem explicado o meu pensamento.
      cumprimentos!

      1. Eu não deturpei nada, limitei-me a citá-lo. Mas nãos e preocupe porque o seu pensamento é claríssimo. Já se percebeu perfeitamente quem ataca, como ataca e por que é que ataca. Não restam dúvidas nenhumas porque nisso, sem dúvida, sempre foi coerente e fá-lo à descarada e com a sua assinatura em baixo.
        A qualidade da formação é algo que interessa a todos, independentemente de alguns se arrogarem o direito de detentores da verdade absoluta enquanto defendem o próprio quintal; a regulamentação vai resolver esse problema sim, bem como os problemas éticos que afectam muitos representantes da classe, os quais perdem demasiado tempo a criticar o que desconhecem.
        Felizmente, estamos numa democracia (para o bem e para o mal). Assim sendo, qualquer comentário vale o que vale para quem queira debater formação em Medicina Chinesa numa perspectiva tendenciosa, cujo único objectivo é sustentado na máxima “quem não está comigo, está contra mim”. Mera perda de tempo, nada mais.
        Cumprimentos.

        1. Post
          Author

          Fico feliz por saber que o meu pensamento é assim tão claro.
          Acho que vai gostar dos meus novos artigos sobre argumentos a favor dos cursos de fds onde descrevo e mostro as falhas dos diferentes argumentos usados. Digo que vai gostar porque a Maria, tal como qualquer outra pessoa está a usá-los.
          E eu adorava que a regulamentação saísse o mais rápido possível. Diga-me: conhece algum curso de saúde com autonomia profissional e com licenciaturas em fds? Não me parece… mas ainda bem que também é a favor da regulamentação.
          E querer a regulamentação para calar vozes criticas, baseado num qualquer critério ético altamente subjetivo não é um sinal positivo para qualquer democracia.
          Adorei.
          Cumprimentos

          1. Meu caro Nuno Lemos, um dia que pare para ler, objectivamente, aquilo que escreve e a forma como desconstrói todos os argumentos contrários aos seus apenas por isso mesmo, por serem contrários aos seus, talvez possamos conversar de igual para igual.
            Até lá, vamos esperar que a regulamentação se torne uma realidade, porque isso sim é algo importante para todos nós e não apenas um estandarte para egos individuais que se alimentam de provocações.
            Mas, se me permite, deixo-lhe alguns pensamentos que podem servir de mote ao próximo artigo sobre “cursos de fim-de-semana”, já que me parece ser um dos seus temas preferidos.
            Por que é que grande parte da sua concorrência – de qualidade, é bom realçar – são os “ignorantes” que fizeram um “curso de fim-de-semana”?
            Será que a população portuguesa (na qual se incluem profissionais de inúmeras áreas – saúde também) é assim tão ingénua que não consegue julgar os profissionais a quem recorre?
            Será que todos os comuns mortais são seres não iluminados pela sapiência exclusiva de uma elite intelectual auto-proclamada?
            Vale a pena pensar nisto (fazendo minhas as palavras de um saudoso comunicador digno desse nome).
            Boas férias!

          2. Post
            Author

            Boas
            O primeiro parágrafo é pura perda de tempo.
            Concordo perfeitamente que a regulamentação é algo necessário. Esperemos que seja boa e venha o mais rápido possível. Depois de regulamentados e os cursos homolgados, assumindo que a lei em vigor é válida, os nossos cursos precisarão todos de ser a tempo inteiro.
            Relativamente aos meus temas favoritos: esoterismo, casos clinicos, reflexões clinicas, textos sobre acupuntura tradicional ou novas formas de pensar a acupuntura, matéria médica e investigação cientifica. Os cursos estão longe de serem o meu tema favorito.
            Respondendo às questões:
            “Por que é que grande parte da sua concorrência – de qualidade, é bom realçar – são os “ignorantes” que fizeram um “curso de fim-de-semana”?”
            Um curso a tempo inteiro demora 5 anos a formar meia dúzia de profissionais. Cursos mais fracos demoram menos tempo ou licenciam muito mais pessoas no mesmo tempo. Por mais a concorrência não é feita por pessoas de cursos de fds mas por um vasto conjunto de pessoas cujas formações base são muito fracas. Por exemplo, conheço pessoas que nem sequer tiraram cursos e estão a exercer.
            O número elevado de escolas a licenciarem profissionais também está relacionado com o aumento da concorrência que se tem observado.
            Essa concorrência assume-se de qualidade porque lhe dá jeito. Efectivamente não há forma de saber se tem ou não qualidade.
            “Será que a população portuguesa (na qual se incluem profissionais de inúmeras áreas – saúde também) é assim tão ingénua que não consegue julgar os profissionais a quem recorre?”
            Correto. A não ser que ache mesmo que a população portuguesa tem formação suficiente para saber se estão em frente a um profissional credivel ou não. A ser assim vivemos num país de licenciados em medicina chinesa. Temos de informar o governo atual dessa situação. creio que o ministro Miguel Relvas gostaria muito de tirar outra licenciatura.
            “Será que todos os comuns mortais são seres não iluminados pela sapiência exclusiva de uma elite intelectual auto-proclamada?”
            Falsa questão. A questão de fundo é tão somente: será que os cursos de fds são bons para formar uma classe profissional séria e credível? A resposta é óbvia mas você não vai querer responder.
            Boas férias… as minhas vão ser férias em fim-de-semana. Mas como nunca me opus a férias em fim-de-semana creio que durmo descansado.

    2. Essa questão é absolutamente ridícula. Se estamos a falar da mesma instituição que proporciona as 2 formas de curso, como é que se pode dizer que um tem qualidade superior ao outro? Os professores são os mesmos, as instalações são as mesmas. A única coisa que muda é o conteúdo programático, a carga horária, o acompanhamento do aluno, a parte prática e o estágio. Só…
      Portanto, isso do Nuno estar a preterir a qualidade em relação à quantidade, é uma falsa questão, que só ilude os mais desatentos.

      1. Post
        Author
        1. Só passei para dizer ola 🙂
          e q os cursos de acupunctura para enfermeiros estão cada vez mais completos…, já são de quantos fins de semana Nuno? acho q ate se aprende diferenciação sindrómica, é verdade nuno?

          Um abraço querente 😉

  4. mas olha que do ponto de vista teórico, os cursos por vezes não divergem assim tanto. podes ter um curso de fds (todos os fds) com 8 horas por semana que equipara-se aos de tempo inteiro nas cadeiras ditas nucleares. olha a ESMTC. no 1º ano as cadeiras nucleares da MTC (na minha opinião) são: diagnóstico, teoria básica, tmp e tuina. estas cadeiras somam um total de 9 horas semanais. as restantes 11 horas dividem-se entre cadeiras científicas, práticas energéticas e tretas para encher chouriço. estás a ver. apenas 45% do tempo de aulas é dedicado ao estudo da MTC. assim, podes ter um curso compacto aos fds com o mesmo aproveitamento pedagógico (teórico) do que os que te exigem estar lá todos os dias.

    em relação às aulas práticas, sucede-se o mesmo. não tens aulas de acupunctura a semana inteira. é apenas 1 por mês. no 2º ano varia entre 2 horas e meia e 3 horas e meia. no 3º ano é apenas 1 hora e meia. podes ter o mesmo num curso de fds bem estruturado.

    quanto ao estágio, é uma vantagem um curso de tempo inteiro como o da ESMTC, que tem 4 anos de estágio tutelado.

    1. Post
      Author

      Bom dia Sue
      Não posso concordar com as tuas comparações devido às seguintes razões:
      1 – os cursos de fds em acupuntura resumem-se a 1 fds por mês (e por vezes há meses sem formação).
      2 – as cadeiras cientificas também são muito importantes, nomeadamente anatomia e fisiologia, patologia, reconhecimento de situações de urgência, etc…
      3 – pessoalmente englobo as práticas energéticas(????) em tretas para encher chouriços. Tiram tempo a uma formação cientifica e técnica mais importante.
      4 – estás a confundir aulas práticas com aulas de acupuntura. Na ESMTC tens aulas de topografia dos meridianos e técnicas de puntura, ambas com grande componente prática, e tens aulas de acupuntura clinica onde se aprende a pensar basicamente. A parte “prática” tem a ver com a formulação de protocolos ou compreensão dos mesmos.
      5 – relativamente ao número de horas para acupuntura. No segundo ano é dada uma pequena introdução com 1 hora semanal no 2º semestre. No 3º ano tens 2 horas semanais e no 4º ano tens 3 horas semanais. Isto somente para acupuntura, porque depois ainda tens topografia, técnicas de puntura e outras cadeiras nucleares de outras áreas (medicina interna, diagnóstico, matéria médica, tui na, etc…)

      Ou seja, não tens nenhum curso de fds que se consiga igualar a cursos de tempo inteiro, mesmo tendo estes falhas grandes a nível de curriculo. Talvez a melhor forma seja uma comparação com o mundo da osteopatia.

      Podes notar que na osteopatia existem cursos de fds ou pós-laborais. Mas estes são muito diferentes dos cursos de fds da acupuntura (usando ITS para comparação):
      1 – regra geral tem forte componente prática.
      2 – são feitos para profissionais de saúde e não para outros alunos (para os quais existem cursos a tempo inteiro) o que permite diminuir a sua duração focando-se somente na parte mais técnica e nuclear da osteopatia.
      3 – estão longe de serem cursos espaçados, que abordam de forma superficial matérias diversificadas.

      Para terminar e comparando com o ITS, usando o número de horas que é um valor objetivo:
      1 – o curso a tempo inteiro, ou seja, para quem não tem formação cientifica em saúde prévia é de 4500 horas.
      2 – o curso para profissionais de saúde (equivalências a uma série de disciplinas cientificas) é de 2500 horas.
      3 – os cursos de fds em acupuntura não diferenciam os alunos pela entrada e nem chegam às 1000 horas.

      Isto para não referirmos que falaste de acupuntura mas os cursos de fds em acupuntura englobam outras cadeiras como massagem tui na ou matéria médica oriental (coisa muito mais complicada que acupuntura) por exemplo.

      abraço

      1. É certo o que disseste e tens razão porque os cursos de fds não são realizados em todos os fds. Mas podias estruturar um curso mais técnico-prático (como o do ITS, o qual conheço muito bem) de Medicina Chinesa, com todas as vertentes da MTC mas com maior enfase nas cadeiras nucleares, em todos os fds durante o ano lectivo. Podias criar um curso de 9 horas semanais, que é bastante bom e dá—te perfeitamente tempo para estudares e aplicares a matéria dada. Seria também mais viável e terias mais alunos porque não é qualquer um que está interessado em estudar durante 5 anos, todos os dias, para um curso que não tem reconhecimento oficial.

        Dou-te um exemplo. Imagina o programa do 1º ano deste curso fictício:

        Anatomia (1 hora)
        Fisiopatologia (1 hora)
        Tuina (2 horas)
        Diagnóstico (2 horas)
        Teoria básica (1,5 horas)
        TMP (1,5 horas)

        Total: 9 horas semanais

        Para mim isto é mais apelativo do que quando vi pela primeira vez o programa da ESMTC para o 1º ano, com todas aquelas tretas que não servem para nada. Não sei se acrescentarias mais alguma coisa. Agora não me venhas dizer que não é a mesma coisa que um curso a tempo inteiro. Isso é certo! Mas seria uma alternativa, viável, para formar técnicos competentes em Acupunctura porque o curso estaria organizado apenas para lecionar as cadeiras nucleares da MTC e as da medicina ocidental que mais interessam a um acupunctor.

  5. Universidade de Medicina Chinesa
    Gosta desta Página · 23/4

    “Há muitas escolas de Medicina Chinesa espalhadas pela Europa, mas com formação reconhecida pelo governo chinês só há uma: o Pólo de Chengdu em Lisboa, na Universidade de Medicina Chinesa”.

    Estas palavras, proferidas pelo representante da Embaixada da China em Lisboa durante a entrega de diplomas da Licenciatura de Chengdu em Medicina Chinesa, espelham a importância do reconhecimento oficial da formação em causa.
    A estes graduados, que são os primeiros licenciados em Medicina Chinesa em Portugal, com um diploma que lhes confere o grau de licenciatura reconhecida pelo Ministério da Educação e pelo Ministério da Saúde chineses

  6. Post
    Author

    Os meus parabêns aos novos licenciados.
    Mas sinceramente além da publicidade seria bom escrever algo de útil para o artigo em causa. É isso que se procura.

    1. Boa noite, andava a pesquisar sobre medicina chinesa, porque estou a pensar inscrever-me nesse curso. Terminei este ano o 12º, não consegui entrar no curso que queria, e falaram-me do curso de Medicina Chinesa.
      O que pretendo saber é, qual é a média de acesso, e qual a melhor Universidade em Portugal? Estou bastante indecisa entre a UMC e a ESMTC. Sei que as inscrições ainda estão abertas, e gostaria de começar ainda este ano. Disseram-me que a UMC é melhor, porque é a única em que os diplomas são reconhecidos pelo governo chinês, mas já ouvi dizer que a ESMTC é a que tem o curso mais completo.
      Será que alguém me pode esclarecer sobre este assunto?

      Obrigada

      1. Post
        Author

        pessoalmente aconselharia a ESMTC. Se a ESMTC tem o curso mais completo a UMC não pode ser melhor. lol
        A não ser que deseje ir trabalhar para a China (caso o reconhecimento pelo governo chinês, tal como referido, seja verdadeiro) não vejo como isso possa ser considerado relevante.
        De qualquer forma eu sou professor na ESMTC e, como tal, a minha opinião nunca é imparcial.
        Qualquer que seja a sua escolha espero que seja uma que não se arrependa.

  7. Boa tarde, tenho o 12º ano completo e tenho andado a pesquisar sob os cursos de Medicina Tradicional Chinesa e estou interessada em tirar um. Mas estou um pouco indecisa relativamente à escola que me devo candidatar, pois não sei qual será a mais indicada, tenho andado a ver a ESMOT e a ESMTC.
    Talvez me possa ajudar numa questão, já que infelizmente ainda não obtive qualquer reposta da ESMTC, gostaria de saber qual o exame de admissão que é necessário fazer para entrar, tanto numa candidatura normal como numa candidatura para maiores de 23 anos. E já agora, que tipo de curso é, é considerado uma licenciatura?

    Obrigada

    1. Post
      Author

      Boa tarde Tininha
      Ligue para a ESMTC ou faça algo melhor. Dirija-se à escola e vá diretamente à secretaria fazer a sua inscrição para o exame. Eu não lhe consigo explicar mas é um exame relativamente simples. Mas o melhor é falar com a escola.
      O curso é uma licenciatura mas não é reconhecida. Foi recentemente aprovada uma lei e isso poderá alterar os cursos e vai definir cursos reconhecidos. Os cursos atualmente existentes terão de ser alterados para se adaptarem às exigências legais.
      Mas para já fale diretamente na secretaria da ESMTC.

      abraço

  8. Boa tarde Nuno, e qual a sua opinião relativamente à ESMOT comparativamente à ESMTC, mas ao curso de tempo inteiro. Será o mesmo tipo de curso? Ali são apenas 4 anos e o plano curricular não é exactamente igual.
    E já agora, pelo que entendi na UMC a Licenciatura é reconhecida pelo Ministério da Educação e pelo Ministério da Saúde chineses, será mesmo a única em lisboa? Se assim o for então o melhor mesmo será ir para a UMC, ou não?

    Obrigada

  9. Bom dia, gostaria que me dissessem, se souberem, qual destes institutos é melhor: Instituto Português de Naturologia (IPN) ou o Instituto de Medicina tradicional (IMT) ? o curso que pretendo tirar é de osteopatia…

    1. Post
      Author

      Eu não sou osteopata mas a ter de escolher uma escola de osteopatia eu iria para o ITS (instituto de Técnicas de Saúde).
      abraço

  10. Olá,
    Tou viciada no blog! Como aluna de MTC digo já que tem toda a razão em não recomendar nem o curso de FDS nem o e-learning. Do full time não tenho conhecimentos suficientes. A matéria é “despejada” aleatóriamente e só começa a fazer sentido no fim do curso, o que não me parece nada proveitoso. O material disponibilizado tem muitas vezes erros tanto ortográficos, quanto de conteúdo. A componente prática é insuficiente, apesar de nos tentarem convencer do contrário. Quando damos por nós temos uns milhares de euros empatados num curso que nos dá perto de nada em conhecimento. Depois temos que gastar mais umas centenas em livros e formações extra, para podermos ter mais qualquer coisa onde nos agarrarmos. Não ouvi nem uma, nem duas, nem três vezes colegas com as mesmas queixas que eu de ambos os cursos.

  11. Boa tarde. Sempre gostei muito de medicinas complementares. Aliás por ter problemas de coluna, são paciente das medicinas complementares. Agora que tenho tempo e disponibilidade financeira para tirar um curso em medicina complementar, deparo-me com estas confusões de escolas boas e más, cursos bons e maus, cursos de fds, cursos a tempo inteiro, bons profissionais, maus profissionais…e a minha vontade é já não fazer nenum curso e esperar que saia uma lei que legalize tudo isto…mas como não sabemos quando sai a nova lei, pergunto? No Porto qual a melhor escola para tirar naturopatia? E onde tirar shiatsu?

  12. Boa tarde a todos

    De certo que as opiniões são muitas e variam de experiência a experiência.

    No entanto estou a ponderar frequentar o curso MTC no IPN ou na UMC.

    Alguém me pode dar uma opinião clara sobre as duas instituições, cursos, corpo docente, etc.

    Obrigado

  13. Eu, tenho lido muitos artigos deste blog e concordo com algumas afirmações.
    A Medicina Chinesa é importante pois ajuda a melhorar a qualidade de vida do ser vivo.
    Neste país, existe muitas escolas/institutos e uma certa instituição que se autonomia de UNIVERSIDADE ( que na realidade, de acordo com a DGES e a ACSS , não é reconhecida como tal) acabando assim por aldrabar as pessoas com o seu marketing.
    Eu concordo com o autor do blog quando afirma que os cursos de Fim de semana não preparam como deve ser .
    Que eu saiba ,em Portugal, não existe nenhum curso de 1ºciclo(licenciatura) na área da saúde que seja lecionado ao fim de semana mais ainda uma vez por mês. Quem se ofende com esta afirmação , as anteriores e as próximas, é porque secalhar sabem que é verdade e não querem aceitar. 🙂
    Medicina chinesa está relacionada com a área da saúde ? certo? . Então como é que existem alguns professores de MTC que afirmam que não é preciso desinfectar , ou não é preciso usar luvas e muitas outras coisas que não fazem qualquer sentido( no OCIDENTE).
    Já existem profissionais da área da saúde a tirarem formações em MTC e noutras terapias. Com isto, será que os alunos que não têm uma formação base irão conseguir competir com esses profissionais de saúde?
    O marketing de algumas escolas é muito bom 🙂 Ser reconhecido pelo governo chines e ter licenciatura de mtc da Universidade de Chengdu. Isso é muito bom para atrair moscas 😉 Pois na realidade , quase todas as escolas de MTC de Portugal ou doutros países têm um estágio ( no final do curso) na china e o diploma será reconhecido lá. Mas claro, para alguns indivíduos , eu é que sou a difamadora.
    Em relação ao ensino de MTC full time, na escola onde eu estou é ridículo, os livros/sebentas, têm muitos erros, há poucas aulas praticas de meridianos ( 2/3 semestres), os professores afirmam que não é necessário saber muita coisa da área das biomédicas, uma docente que se autonomia de mestre, quando nem tem formação académica . Resumindo, a matéria é “despejada” , por vezes não há ponta que se pegue, só se consegue entender o que se aprende no final do curso, os formadores/docentes, afirmam que “oferecem” a melhor formação do país e também afirmam que por vezes são melhores que a ALEMANHA, os EUA (etc), enfim, é preciso passar por esta experiência para acreditar ….
    O Dr. Pedro Choy até é um bom profissional , mas isso não quer dizes que a escola seja a melhor( em tudo) ,não é! ;).

  14. Olá

    Sou formado como Enfermeiro e gostaria de um auxilio de vocês. Penso em fazer uma pós graduação em MTC e estou em dúvida entre algumas instituições, entre: E.S.M.O T / I.M.T / E.S.M.T.C / U.M.C

    Qual indicam?

Deixar uma resposta