Human Body Analyser: a irmâ gémea da medicina quântica

Nuno Lemos INVENÇÕES NEW AGE 0 Comments

Human Body Analyser: a irmâ gémea da medicina quântica

 

A 23 de Janeiro de 2012, portanto há quase uma ano, uma relações pública muito simpática de uma empresa muito duvidosa enviou-me um mail onde se podia ler:

“Exmo. Sr. Dr. Nuno Lemos,

Vimos por este meio apresentar-lhe um revolucionário equipamento de diagnóstico de saúde. O Human Body Analyzer (HBA).

Baseado em estudos efectuados pela NASA, cujo objectivo era monitorizar o corpo humano dos astronautas, que se encontravam no espaço e onde não era possível efectuar quaisquer exames complementares de diagnóstico em caso de doença.

Este instrumento pode fazer um exame completo ao corpo humano.

Após o teste o Analisador Quântico de Ressonância Magnética efectua 28 relatórios de saúde relativamente aos parâmetros mais importantes do corpo humano.

O método de análise de ressonância magnética  quantum tem como principais vantagem as de ser não-invasivo, ser prático, simples, rápido, económico e de fácil divulgação.

Em anexo enviamos apresentação mais detalhada do Human Body Analysis.

Antecipe-se e controle o seu estado de saúde.

Visite-nos, ou solicite a visita de um dos nossos profissionais.

Em apenas 15 minutos terá uma ideia muito clara do benefício deste aparelho.”

 

Eu já começo a ficar com pena das empresas que me enviam estes mails porque obviamente nunca se deram ao trabalho de lerem os meus artigos. Caso contrário pensariam duas vezes. Rapidamente o meu mail se tornaria o mais detestado de qualquer lista de mails a publicitar tamanhas aldrabices.

Juntamente com o mail vinha um pdf a explicar o funcionamento  da Human Body Analyser e a evidenciar as vantagens de descoberta tão magnífica. A apresentação desta maravilha tecnológica made in Hollywood cumpre todos os requisitos necessários.

Tem uma linguagem científica e procura usar referências científicas (uma leitura mais atenta por pessoas habituadas a ler estudos mostra de imediato que estamos perante uma fraude).

Procura chamar a atenção para nomes de cientistas de forma a dar mais credibilidade.

Não é invasivo. Ou seja é uma máquina, um produto de alta tecnologia que não agride o corpo.

Abusam um pouco em determinados momentos. Por exemplo a determinada altura afirmam que “Durante vários anos, diversos médicos e engenheiros informáticos, analisaram mais de uma centena de milhões de casos clínicos…” Mais calma. Qualquer pessoa com um mínimo de experiência sabe que centenas de milhões de casos em estudos médicos são números falsos. Não há nenhum estudo, nem meta-análises com centenas de milhões de casos.

Mas enfim, eu decidi brincar um pouco com a simpática relações públicas que tão carinhosamente me tentava roubar uns trocos com banha da cobra high tech, Human Body Analyser, e levantei algumas questões.

Das questões levantadas encontravam-se as seguintes:

“1 – qual a física por trás do funcionamento do aparelho?

2 – como fazem a análise da densidade mineral óssea?

3 – pode apresentar-me os estudos onde através da radiação electromagnética é possível diagnosticar tão variados problemas de saúde?

4 – o que entendem por “espectro quântico padrão ressonante de algumas doenças”?

5 – como é a máquina capaz de distinguir as ondas eletromagnéticas do corpo, das ondas eletromagnéticas do meio ambiente das ondas eletromagnéticas produzidas pela mesma?

5 – onde estão os detetores das ondas eletromagnéticas para se poder formar imagem?

6 – Consegue indicar-me algum hospital público que use este tipo de tecnologia?

7 – já agora qual a tecnologia por trás do vosso computador portátil? Pergunto uma vez que ninguêm conhece um computador que consiga fazer o que o computador que vendem faz. Explico-me melhor: são necessários computadores muito mais avançados e que ocupam muito mais espaço para lidar com um décimo da informação que o vosso computador tem de lidar.

8 – quando refere que a taxa de precisão de diagnóstico pode chegar até aos 85% está a referir-se ao diagnóstico de que doenças? Pergunto isto uma vez que a sensibilidade e especificidade de um exame de diagnóstico varia de doença para doença.

9 – como consegue explicar que através do sensor de contacto do aparelho da mão se consiga saber o estado atual da saúde? Sabe que este tipo de tecnologia que advoga não está descrito em lado nenhum? Sabe que caso decida ir a qualquer hospital público vai ver que a tecnologia de ponta existente está milhares de anos atrasada em relação à vossa? Isto não chama a atenção para nada? Como consegue analisar a densidade mineral óssea sem analisar a coluna lombar e o trocânter? Como é que é possível analisar a função pulmonar e cardíaca sem analisar os respetivos órgãos? Como consegue ver a existência de açúcar no sangue ou toxinas, ou aminoácidos sem colheita de sangue?”

 

Atentamente, a simpática senhora respondeu-me, tal como seria de esperar de uma boa relações pública:

 

“Boa tarde Exmo. Sr. Dr. Nuno Lemos,

Agradeço desde já o seu e-mail.

Normalmente este tipo de respostas obedece a um estudo elaborado por profissionais da área médica que não é o meu caso. No entanto vou reportar a quem de direito e assim que obtenha toda esta informação técnica envio-lhe.”

 

Um ano passou e a simpática senhora ainda não me disse absolutamente nada. Que pena e logo eu que queria tanto falar com os profissionais da área médica. Afinal não vou conseguir brincar mais. Agora temos a irmâ gémea da medicina quântica. Esta chama-se Human Body Analyser.

Deixar uma resposta