Eficácia versus Beleza – parte 2

Nuno Lemos ACUPUNTURA TRADICIONAL CHINESA 2 Comments

Quando é que o protocolo de acupunctura começa a tornar-se ineficaz?

Algo verdadeiramente irónico é que um protocolo de acupunctura bem feito não é necessariamente eficaz. Em pacientes que não respondam à acupunctura um protocolo bem feito não vai obter nenhum resultado mas noutros pacientes um protocolo de acupunctura mal feito pode obter resultados clínicos benéficos.

O que pode então ser condicionante para a eficácia do protocolo? Será que as respostas para a eficácia de um protocolo de acupunctura reside no seu número de pontos ou na forma como vai ser construído? Estas e outras questões surgem no decorrer das nossas interrogações.

Em primeiro lugar o número de pontos de acupunctura usados num protocolo não precisa passar os 13 ou 14, salvo raras excepções. Muitas vezes nem chega a valores tão altos. Quando se lê um protocolo de acupuntura quer-se perceber 2 coisas essenciais: qual a queixa principal (ou seja, o sintoma que mais se manifesta) e qual o padrão clínico (ou seja, os sintomas que provocam a queixa principal ou que a acompanham). Isto significa que o essencial não é somente a quantidade de pontos presentes num protocolo de acupuntura, ou a sua eficácia, mas sim a quantidade de informação que o seu conjunto nos passa.

Este é um ponto extremamente importante e que passa despercebido a muitos acupunctores. Um protocolo de acupuntura não tem somente de ser eficaz. Ele tem de passar informação fidedigna acerca dos sintomas do paciente.

Aumentando em demasia o número de pontos de um protocolo acontecem 2 coisas: aumenta-se a probabilidade de ser eficaz não percebendo nada do assunto e o protocolo perde capacidade de passar a informação que deveria passar.

Quando eu leio um protocolo de acupuntura com, por exemplo, 24 pontos sei à partida que a pessoa que o criou pouco sabe de acupunctura. Nem precisa. Basta memorizar a posição de 24 pontos dos mais usados e aplicá-los indiscriminadamente. Esses pontos estão distribuídos pelo corpo todo e tem enúmeras aplicações clínicas. O acupunctor vai ter sempre algum sucesso. Um acupunctor mostra que sabe acupunctura não quando cria um protocolo eficaz mas sim quando cria um protocolo eficaz e com informação objectiva para ser analisada por outro qualquer acupunctor.

Em segundo lugar temos a forma como o protocolo é construído. Este é outro factor que pode afectar a eficácia de um protocolo. Ele é completamente apagado quando se usam protocolos de acupunctura megalómanos, uma vez que os seus princípios acabam por ser englobados, mesmo que num conjunto de pontos sem significado.

Por exemplo, quando pretendemos construir um protocolo de acupunctura usamos algumas linhas orientadoras, alguns princípios de acção que nos permitem construir um protocolo que seja eficaz e que seja rico em informação. Princípios orientadores como: 1 – pontos locais, distais e sintomáticos; 2 – pontos de acordo com o mesmo meridiano; 3 – pontos de acordo com meridianos acoplados, etc…

Apesar de poder afectar a eficácia de um protocolo a ausência destas linhas orientadoras irão afectar principalmente a capacidade do protocolo passar informação acerca dos princípios terapêuticos que lhe deram origem. Os princípios terapêuticos são princípios definidos em MTC que nos permitem definir linhas de orientação terapêuticas após a conclusão do diagnóstico.

Por exemplo se temos um vazio de yin caracterizado por muitos suores nocturnos os nossos princípios terapêuticos seriam: 1 –  nutrir o yin e 2 – contrair o yin (parar os suores nocturnos). Num vazio de yin com sudação nocturna abundante e muitos sintomas de secura poderiam criar-se os seguintes princípios terapêuticos: 1 – nutrir o yin; 2 – contrair o yin e 3 – nutrir líquidos orgânicos (jin ye). Estes princípios devem ser percebidos no protocolo de acupunctura. O princípio de combinação de pontos que nos dá as linhas orientadoras mencionadas acima – pontos locais, distais e sintomáticos, etc… – é o que nos permite criar um protocolo com este tipo de informação.

Comments 2

  1. Post
    Author

Deixar uma resposta