Cursos de acupuntura cada vez mais exigentes

Nuno Lemos CURSOS DE ACUPUNTURA 6 Comments

Cursos de acupuntura para quê?

Recentemente tive notícia da existência de dois novos cursos de acupuntura. Como muitos leitores meus provêm de cursos de acupuntura que eu critico já sei que não vão apreciar este artigo. Mas a verdade é que depois de ter visto estes dois últimos cursos de acupuntura eu fico com a sensação que o povo português é o mais inteligente do planeta e nem precisa realmente de cursos de acupuntura.

Efectivamente gostamos mais de nos enganarmos uns aos outros com diplomas do que nos deslumbramos com conhecimento. E gostamos tanto dessa ilusão que simplesmente não admitimos nenhum tipo de crítica. Ter um diploma de acupuntura não significa necessariamente que se saiba acupuntura.

2 novos cursos de acupuntura

Os dois novos cursos de acupuntura que me provocaram algumas risadas são diferentes e foram organizados por instituições diferentes. Mas são igualmente ridículos. O primeiro é um curso de acupuntura para profissionais de saúde.

Este novo curso para profissionais de saúde é extremamente ousado. Pretende ensinar a pensar diagnóstico em MTC (sendo a pulsologia e observação da língua as bandeiras de marketing), acupuntura, topografia, teoria básica de forma a dar ao aluno competências técnicas.

O conteúdo programático do primeiro módulo inclui “Introdução à Medicina Tradicional Chinesa”, “Fisiologia, história e teoria das terapias orientais”, “anatomia, fisiologia, patologia e energética humana”, “materiais usados na Medicina Tradicional Chinesa”, “ventosateria”, “Pisicologia da MTC e constitucional”, “língua e pulsologia”, “electroacupuntura”.

E tudo isto em apenas 40 horas. Impressionante. Ou seja em 4 dias apenas pode-se aprender diagnóstico, teoria básica, acupuntura e materiais usados na medicina tradicional chinesa (?). E isto sem pensar no ridículo das cadeiras propostas. Porque olhando com um pouco mais de atenção observamos que existe fisiologia e história e depois fisiologia e anatomia. E o que dizer da fisiologia, anatomia e energética humanas? Sem falar na divisão entre materiais usados na MTC e outra cadeira para ventosaterapia. Talvez quem sabe as ventosas não sejam um material usado em MTC!

Quem já leu a publicidade a este curso, publicitado pela empresa PERONEO, decerto notou que não estou a ser honesto. O curso na totalidade tem 80 horas. Pois é. As outras 40 horas são para ensinar todas as especialidades que existem desde neurologia, dermatologia, estética, ginecologia e o diabo a sete pés. Absolutamente impressionante. Numa segunda tranche de apenas 40 horas (mais 4 dias muito proveitosos) os alunos vão aprender neurologia, uroginecologia, dermatologia, estética, “traumato-ortopedia” e “desportiva” sem esquecer a tão necessitada “prática dos conceitos aplicados e das especialidades”. Por 324 euros por módulos é, sem dúvida, o pior investimento que alguém poderia fazer na vida.

Um crítico cínico dos cursos de acupuntura

Muitos dos meus críticos poderão agora dizer que sou um cínico porque estou a criticar um curso para profissionais de saúde quando eu dou formações a fisioterapeutas. No fundo este artigo não é mais do que uma forma de tentar destruir a concorrência de uma forma desleal como é típico de uma pessoa com a minha formação ética.

Já por saber que invariavelmente essas críticas irão surgir deixo a resposta às mesmas. Não são cursos de acupuntura minimamente semelhantes.

Nos cursos que dou a fisioterapeutas o público alvo está bem definido assim como a matéria. Ou seja, a formação base é a mesma e a matéria leccionada vai de acordo com a sua formação base.

Em nenhum momento pretendo ensinar coisas ridículas como “materiais usados na MTC” como se isso fosse uma grande valia clínica. A formação específica para os seus conhecimentos (seleção de pontos de acordo com miologia funcional e sistema nervoso) implica que não vão estar a perder tempo a aprender matérias estranhas e complexas (como seja o pensamento clínico chinês) de tal forma que pura e simplesmente não vão aprender realmente nada. E apesar dos cursos para fisioterapeutas serem muito mais humildes em termos do conhecimento que se passa aos alunos ainda são mais completos que formações de 40 horas para se aprender medicina chinesa.

Dúvidas esclarecidas passemos então ao segundo curso, que é mais uma consequência da desinvolução dos cursos de fins de semana com autoria na UMC (Universidade de Medicina Chinesa).

De fim de semana para a net

É que segundo parece os cursos de acupuntura de fins de semana estão fora de moda. Agora o que vale mesmo são os cursos online. Pois é. Agora é possível tirar uma licenciatura em Medicina Chinesa via b-learning.

De acordo com o site da UMC:

“O nosso ensino b-learning configura-se em aulas online, acompanhadas apenas de alguns momentos presenciais: aulas práticas e exame final. Esta formação online viabiliza uma metodologia pedagógica sem os constrangimentos das deslocações permanentes, à medida de cada fuso horário e da disponibilidade e ritmo individual. “[i]

Absolutamente impressionante. Agora sim temos um curso a sério. E provavelmente, para quem seja bom auto-didacta ainda vai ser melhor que os cursos de fins de semana. O curso também enumera algumas vantagens deste tipo de licenciatura sem, no entanto, indicar a maior delas: ganhar dinheiro à conta do desleixe educativo e das ilusões das pessoas. Mas o que interessa é que a adicionar aos cursos de fins de semana agora temos licenciaturas b-learning.

E já que a UMC está “numa rota de modernidade tecnológica”[ii] eu aconselhava que fossem “acompanhadas apenas de alguns momentos presenciais” no secondlife. Já que estamos numa de modernizar o ensino e estupidificar cada vez mais os futuros profissionais porque não começar a dar aulas práticas no secondlife? Aula de topografia dos meridianos no second life! Prática clínica na clínica escola localizada na rua do desprestígio profissional no second life! E depois passava-se um diploma válido para a ilha em questão no second life!

Poupava-se a chatice que é para os alunos terem de mexer em corpos verdadeiros e tratar doentes reais!

Sinceramente eu nem sei para que são precisos cursos de acupuntura. Se a MTC se ensina tão facilmente em 40 horas ou via b-learning (com aulas práticas no second life obviamente!) nem sei para que se dão ao trabalho de ter cursos de acupuntura.

Qualquer dia cria-se um protocolo com a coca-cola e em troca de 100 caricas da coca-cola oferece-se um diploma de acupuntura e fitoterapia chinesa. Na troca de 200 caricas recebe diploma de especialidade de patologia externa. E tudo isto com um único momento presencial para receber o diploma…. No second life.

Gostaria, para terminar estas reflexões mais exaltadas, de deixar algumas questões aos meus leitores caso decidam participar nestas tiradas utópicas:

A existência de cursos de acupuntura manifestamente fracos fortalecem ou não a profissão?

Que futuro se pode esperar com estes cursos de acupuntura?

Independentemente do método b-learning ser útil ele é realmente a base de uma licenciatura de um curso de saúde?

Consegue-se aprender medicina chinesa para praticar em segurança e com resultados em 40 horas?


[i]

[ii]

Comments 6

  1. Boas Nuno, realmente caminhamos cada vez mais depressa pa mediocridade. Já tinha visto esse b-learning, é quase tão cómico como chocante. Espero do fundo do coração que ninguém se inscreva nesse roubo à mão armada.
    Abraço

  2. Post
    Author
  3. Impressionante. Atirar areia aos olhos, aos ouvidos, à boca das pessoas…
    e ainda colocam a seguinte frase no final da página do curso B_Learning:

    “Curso não reconhecido pelo Ministério da Educação, enquanto não for promovida a Regulamentação da Lei 45/2003. (A Regulamentação da referida Lei dependente unicamente da iniciativa política do Governo português.)”

  4. Post
    Author

    Vale tudo. lolol A ver como fica depois da regulamentação! A própria regulamentação indica uma formação minima e não acredito que uma licenciatura b-learning seja a formação necessária. lololol
    abraço

  5. aqui no Brasil ; ocorre 2 coisas ridiculas na saude do Governo : medicos incompetentes sem amor
    a própria profissão e a seus pacientes e politica concentrada em como ganhar mais dinheiro criando
    leis que proíbem , que se desenvolvam técnicas e a própria medicina chinesa para suprir a carência
    que eles mesmos criaram junto a farmacêutica gananciosa .

Deixar uma resposta